-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Siga este blog por Email

28/03/2018

Os Mitos e Delírios de Cada Um

Treinamento de Rapel - 3° GB - Londrina - PR. (fotografia  Jônatas B. Theodoro)


Antonio Carlos Rocha
Cada um constrói a sua realidade a partir de suas escolhas. Claro que estas escolhas são influenciadas pelo ambiente familiar, pela educação e até pela fofoca dos vizinhos, o que é lamentável.
Essa história aconteceu nos anos 90. Eu estudava Teologia e fazia parte do Estágio, o treinamento em “Aconselhamento”.
Bela tarde, apareceu um rapaz na casa dos vinte anos e pediu para conversar. Procuramos uma sala vazia, liguei o ar, fechei a porta e sentamos frente a frente, com uma escrivaninha no meio, onde fui anotando alguns dados. Comecei:
- Fique à vontade amigo, abra o seu coração.
Então ele desabou num choro que eu não via nem ouvia há muito tempo.
Deixei-o chorar bastante, só me levantei, fui no banheirinho, peguei o rolo de papel higiênico para ele assoar o nariz e fiquei calado. Logo depois começou a falar:
- É que eu estou desempregado há vários meses. E as pessoas na minha casa, na minha vizinhança pensam que eu passei no concurso do Bombeiro. Todo dia  pela manhã eu saio de casa, finjo que vou para o quartel, volto no final da tarde, peço dinheiro emprestado ao meu para as passagens, e digo que quando receber vou quitar a dívida...
- Mas como é isso, explique melhor.
- Eu estudei até o ensino médio. Mas a minha família é um caso sério. Eles acham que eu sou gênio, que sou um cara inteligentíssimo, não sou, sou uma pessoa comum.
- E a história do bombeiro?
- Eu fiz a prova, pedi dinheiro emprestado para me inscrever. Mas não passei, mas a minha mulher embarcou na da minha família e mesmo antes de saírem os resultados ele começaram a comemorar e a espalhar para a vizinhança que eu tinha sido aprovado.
- E por que você não disse a verdade?
- Eu tentei, mas eles me sufocam, é como se eles já estivessem percebendo a realidade. E ficam em torno de mim brincando com elogios e eu não tenho forças para dizer.
- Mas eles não sabem que ao ser aprovado para o bombeiro, o recruta fica no começo vários dias internos, até semanas, em exercícios e quando vem para casa, já volta com a farda?
- O problema é que a minha família vive de aparências, fazendo concorrências com os vizinhos para ostentar quem está melhor de vida. E, na verdade, nós estamos pior. Eles não querem aceitar a realidade...
- Bem amigo, a solução é simples, mas dolorosa, falar a verdade.
- Vai ser o fim do mundo, a decepção geral...
- Olha só, hoje, quando você chegar em casa, reúna a família, não deixe as brincadeiras e elogios te dispersarem, seja firme pela primeira vez. E fale tudo. Todo mundo vai chorar, mas vai ser melhor, será o começo de uma vida de humildade, sem esta bobagem da concorrência, da vaidade, da tolice entre vizinhos.
- Vou morrer de vergonha.
- Mas vai renascer para uma vida de verdades, sem mentiras que estão te prejudicando. E no dia seguinte procure um emprego de fato, você tem ensino médio, as redes de supermercado estão constantemente admitindo. É só encarar, ter força, ânimo, vigor. Seja você e não fique na aba do pai ou da esposa. Todo trabalho ético é nobre, logo, qual é o problema?
- Obrigado!
Levantamo-nos, apertei a sua mão e respondi:
- Boa sorte ! 
Nunca mais vi esse jovem. Espero que tenha acertado o passo na vida...


8 comentários:

  1. Francisco Bendl28/03/2018 10:55

    Uma raridade esta postagem do Antônio, meu amigo e professor, pois não aborda o Budismo.

    Mas, trouxe-nos uma de suas passagens muito importantes, quando aconselhou um jovem desesperado que criara uma ilusão para seus pais sobre uma profissão que não desempenhava.

    Mortificado porque fez a família viver uma mentira, procurou auxílio.
    E não podia ser outra ideia que não fosse contar a verdade, pois mais que essa depois lhe acarretasse consequências nada agradáveis, porém estaria iniciando uma vida nova.

    Perfeito.
    Agora, haja coragem do rapaz para mudar a realidade, que nos faz pensar e, muito, no quanto a mentira pode ser desastrosa para o mentiroso e aqueles que o rodeiam, que acreditam no que diz.
    E mais ainda problemático, quando os pais projetam para seus filhos as suas frustrações e decepções, que este deve compensar as vidas de seus genitores com o sucesso que jamais tiveram.

    Logo, a tristeza não só é dupla – o filho não é bombeiro -, quanto predominava a mentira, haja vista que, se o rapaz tivesse outra função, porém estivesse trabalhando, o impacto da decepção seria bem menor.

    Curiosamente não voltou para dizer do resultado, se seguira os conselhos ou encontrara outro meio para dizer a verdade ou, lá pelas tantas, saíra de casa sem dar até logo.

    E dizer que nossos políticos somente dizem mentiras e nada lhes acontece!

    Um forte abraço.
    Saúde e paz.





    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1)Oi Bendl, obrigado pelo comentário. Essa história reforçou as minhas convicções de falarmos sempre a verdade, por mais dolorosa que seja.

      2)Abraços de Feliz Páscoa para vc e todos os familiares.

      Excluir
  2. Flávio José Bortolotto28/03/2018 18:14

    Prezado Prof. Dr. ANTONIO CARLOS ROCHA,

    Sua orientação a esse jovem casado, vivendo essa situação "fora da realidade", foi do maior Bom-Senso.

    Com certeza ele seguiu sua sábia orientação, e após o desconforto gerado pelo "choque de realidade", conseguiu um Emprego de verdade e engrenou na Vida.

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Obrigado Dr. Bortolotto por suas incentivadoras palavras.

      2)Vez por outra eu lembro desse jovem e peço a Deus que abençoe e proteja a família dele.

      3)Saudações de Feliz Páscoa junto aos seus.

      Excluir
  3. Moacir Pimentel29/03/2018 07:30

    Antonioji,
    Penso que o seu post não trata apenas de “concorrência entre vizinhos” e de "falta humildade”. O buraco é mais embaixo! É preciso grifar que o rapaz mentiu porque sua família o tinha na conta de um “gênio”desde o berço. Pense em um peso para alguém “normal” carregar: a obrigação de compensar as frustrações de seus pais, de ganhar na sua vida as partidas que eles perderam nas deles. Mas estamos conversando também sobre a dificuldade muito humana de encarar a realidade que passa a ser não como efetivamente é, mas como desejam que ela seja. Lembra das sombras da caverna de Platão? Desde a infância não apenas o personagem do seu post mas cada um de nós elabora um universo mental que representa a "realidade" e o reconhecimento da "verdade" é baseado nisso: naquilo que acreditamos. Veja as crenças e as ideologias , por exemplo, que nem sempre batem com a realidade dos fatos, repare nos devotos de falsos profetas e salvadores da pátria, que confiam em promessas sem checar os resultados. Note quanta gente, contra todas as evidências, gravita em torno ídolos de pés de barro, vive de aparências e consome narrativas como se em uma realidade paralela. Provar o contrário do que eles enxergam é quase uma impossibilidade."É mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que foram enganadas" (rsrs)
    Além dessa vocação humana para acreditar em clichês, em confortáveis ilusões e almoços grátis, penso que as consciências, cada vez mais, estão sendo massificadas, tele-guiadas e digitalizadas. Passamos a escolher uma tribo com direito ao pacote completo: aparência, pensamento e discurso e até fake news, tudo bem mastigadinho para ser compartilhado. Nesse contexto muitas pessoas acreditam que não são boas o suficiente, que não combinam com a paisagem escolhida como pano de fundo e então elas colocam máscaras tribais mais aceitáveis torcendo para que ninguém perceba. Só que essas identidades determinadas pelo universo mental, do mesmo jeito que ocorre com o instinto de sobrevivência física, se esforçam muuuuito para sobreviver. Quando confrontado por informações e/ou experiências que entram em conflito com o que considera a sua "realidade", o Sr. Ego se desestrutura, entra em parafuso e passa a criar racionalizações malucas de pedra para negar a validade das novidades. É como se fossemos naturalmente programados para só aceitar algo que coincida com nossas crenças. Acontece que só ao enfrentar as realidades que entram em conflito com as nossas, é que somos desafiados a pensar criticamente, o que resulta em evolução. Infelizmente intelectos infantilizados e corações analfabetos não são capazes de questionar o entorno e de viver na objetividade, na coerência, na única certeza possível: que viver é tanto estar certo quanto errado e que essa é a verdade.
    Por fim, parabenizo-o pelo trabalho de aconselhamento.
    Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1)Obrigado Pimentel, concordo plenamente com o que vc falou.

      2)Páscoa é Pessach = Travessia em hebraico, que nós possamos fazer nossas boas travessias para dias melhores cada vez mais.

      3)Abraços para seus familiares e naturalmente em vc.

      Excluir
  4. Olá Antonio, nosso budista preferido!
    Seu texto segue gerando reflexões e isso é muito bom!
    Sempre, ou quase sempre porque toda lei tem exceção (essa também, o que anula tudo),
    é melhor uma realidade escancarada do que o faz de conta. Mas penso que a mediocridade é mais feliz.
    Acho uma coisa e falo o contrário, e de novo. Acho mesmo que seu texto mais os comentários bagunçaram minha pobre cabecinha.
    Até mais ( quando estiver pensando direito).

    ResponderExcluir
  5. 1) Obrigado Ana, eu aprendi com o Gandhi a ter a verdade como base. É mais aliviante, a cabeça descansa melhor no travesseiro.

    2)Feliz Páscoa para vc e todos os seus !

    ResponderExcluir

Para comentar, por favor escolha a opção "Nome / URL" e entre com seu nome.
A URL pode ser deixada em branco.
Comentários anônimos não serão exibidos.