-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Siga este blog por Email

06/09/2017

A Parábola dos Cegos e do Elefante

Os Cegos e o Elefante - miniatura esculpida em madeira  (3 x 3cm)- Minkoku II

Antonio Rocha
Estive refletindo que neste importante blog já cometi, algumas vezes, interpretações equivocadas. Às vezes fruto da pressa em publicar o texto, alguma ansiedade que a leitura me provocou e, quem sabe, ingenuidade em outros aspectos.
Lembrei então de uma parábola que é muito conhecida por aí, publicada e republicadas várias vezes, mas poucos sabem que é um texto canônico do Budismo.
Certa feita alguém perguntou ao Buda o que era a Verdade? Que tantos falam, definem, interpretam etc...
E o Buda sabiamente respondeu:
- A Verdade é como um elefante sendo explicado por alguns cegos.
- O Senhor pode explicar melhor?
- Perfeitamente amigo: se um cego tocar, sentir, apalpar, investigar as patas do animal este cego vai definir o elefante como algo tipo uma grande pedra, uma rocha talvez.
- Bem respondido Mestre. E o outro cego?
- Imagine que um outro cego vai analisar as pernas do grande animal. Ele vai dizer que são as quatro grandes colunas de um Templo. São firmes, poderosas, consistentes...
- Enquanto discípulo e aprendiz da Verdade, estou gostando e entendendo, por favor Bem-Aventurado Buda, continue.
-Veja amigo, se outro cego estudar bem o pequenino rabo do elefante, a cauda, ele vai dizer que é algo inexpressivo, tão pequeno que nem merece ser estudado, pequeníssimo, uma brincadeira de criança.
- Genial mestre, prossiga.
- Se outro cego investigar as grandes orelhas ele vai dizer que são verdadeiras ventarolas, leques imensos (aqueles leques que a Ana escreveu e descreveu belamente em sua postagem – mas este adendo não está no texto canônico)... para se abanar no verão, espantar os mosquitos etc.
- É mesmo Senhor Buda, eu não tinha pensado nisso.
- Agora medite nas longas presas de marfim. Um cego vai pensar que são espadas roliças e bem afiadas na ponta, com elas eles se defendem do agressor, são armas de guerra.
- Exato mestre, as presas de marfim, respeitando-se as devidas proporções fazem o papel dos chifres em um touro.
- Continuando, se um cego tocar e sentir a tromba ele vai dizer que é um encanamento que pode receber água, serve também de chuveiro para o banho, serve para remover obstáculos que estão à frente etc.
- Isso mesmo Senhor, a tromba ela tem várias funções, aliás a Mãe Natureza é mesmo sábia.
- Isso amigo, e se outro cego, através de uma escada subir no topo de um grande elefante vai dizer que ele tem a altura de uma pequena casa.
- Incrível este seu ensinamento !
- E se um cego perceber a força de um elefante adulto na lavoura, ou quando é aproveitado como veículo, como transporte.
- Várias funções senhor.
- Pois é amigo, tudo isso é a Verdade, ela é multifacetada, tem vários ângulos, interpretações, definições, vivências. Mas em geral, a grande maioria quando descobre um pequenino detalhe da Verdade, como citei no caso do rabo, da cauda, fica saltitante de entusiasmo e pensa que descobriu o Todo, quando foi só uma partezinha da Infinita Verdade.
Por conseguinte, amigos leitores, este escriba Antonio que vos escreve é um destes “cegos” que vez por outra mistura as estações, é um aprendiz das Verdades Infinitas... não o levem a mal, fica entusiasmado com os textos e, às vezes, escorrega na maionese (que bem temperada é excelente prato, acho que o Moacir entende dessas receitas melhor do que o citado aprendiz).
Se uma Verdade só já é complexa, imaginem mais de uma. Pensem uma Rede de Verdades interagindo on line... eis a Vida.


8 comentários:

  1. Moacir Pimentel06/09/2017 08:16

    Bom dia Antonioji,
    Gostei da parábola. É genial como os prezados cegos descrevem corretamente cada parte que lhes cabe do elefante, mas fracassam argumentando que a sua realidade é a única verdade e continuam desconhecendo a questão principal: o bicho!
    Não, não tenho a receita da maionese, embora por longas décadas eu tenha participado da sua feitura. É que, como toda legítima filha do Minho, minha senhora acredita nas coisas feitas em casa e entre elas mora a maionese que geralmente acompanha na nossa mesa as coisas do mar.
    Na criação da iguaria amarelinha – hummm! - o meu modesto papel é segurar a garrafa do azeite a uma determinada altura e cuidar para que dela escorra um finíssimo e constante e lento fio de azeite que cai na tigela onde são batidas as gemas e outros ingredientes que desconheço. Porém apesar dessa ignorância sem as minhas longa prática, pegada firme, enorme paciência e noção do bem comum as maioneses desandam na minha tribo (rsrs)
    Enquanto estivermos certos de estar certos – de que a maionese é azeite ou gema ou de que o elefante é leque ou espada – jamais perceberemos um elefante nem nos lambuzaremos de maionese. Tudo bem que nunca teremos todas as respostas certas, mas nem por isso devemos desistir de continuar fazendo as perguntas certas.
    Conversemos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1)Moacir vc tem toda razão.O importante é ver a "questão principal" em geral nos ficamos nos detalhes.

      2)Convenhamos: uma saborosa maionese dá um toque de elegância em qualquer salada.

      3)Abraços !

      Excluir
  2. Francisco Bendl06/09/2017 12:55

    Rocha,

    Aprecio os textos de tua autoria quando postas os ensinamentos de Buda.

    Parabéns, portanto, pelos artigos neste sentido, pois contribuem à reflexão e até mesmo uma análise sobre nossos procedimentos em situações análogas.

    Um forte abraço.
    Saúde e paz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1)Salve Chicão, obrigado sempre por suas palavras.

      2)Abraço grande, tudo de bom !

      Excluir
  3. Wilson Baptista Junior07/09/2017 07:58

    Bela parábola, Antonio, e muito verdadeira. A verdade de cada um nunca é a verdade inteira, a imperfeição do nosso conhecimento e nossas limitações não deixam que ela,seja. Por isso temos sempre que considerar as idéias alheias para procurarmos nos aproximarmos do todo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Concordo Wilson. É por isso que eu gosto tanto da Filosofia Budista.

      2)Outro dia estava pensando: Verdades no plural ... verdades gramaticais, verdades matemáticas, verdades históricas, verdades religiosas, verdades econômicas, verdades filosóficas, verdades políticas etc...e tudo isso é impermanente.

      3) É um poliedro multifacetado... para se andar nesse labirinto tem que se ter humildade, simplicidade, vontade de aprender... apreender ... empreender ...

      4) Abraços de muito obrigado pelo espaço que cedeu em seu importante blog.

      Excluir
  4. Olá Antonio,
    Muito bom o seu post. Mesmo quando a gente tem a imagem inteira ainda temos que considerar que cada um vê com a sua bagagem. Nem a cor podemos ter certeza que vemos a mesma. O que me deixa com a triste sensação que a comunicação é impossível. Enquanto isso, ou apesar disso, a gente vai "conversando" e ás vezes cometendo imprudências...
    Então, até mais.

    ResponderExcluir
  5. 1) Oi Ana, vc está certíssima !

    2) Vejo nesta parábola uma lição de Democracia: temos dificuldade de aceitar o diferente. Muitos confundem "aceitar" com "concordar". São coisas diferentes.

    3) Abraços de bom fim de semana !

    ResponderExcluir

Para comentar, por favor escolha a opção "Nome / URL" e entre com seu nome.
A URL pode ser deixada em branco.
Comentários anônimos não serão exibidos.